Estive na última semana de abril participando pela primeira vez do Wedding Brasil, nem preciso falar muito sobre um congresso tão conceituado e que já dissemos algumas vezes aqui no site, quem tiver curiosidade nesse post o Lipe Borges explica melhor sobre o mesmo.

Gostaria mesmo é de dividir com vocês um pouco sobre o que aconteceu lá, especialmente no Núcleo Família, o meu preferido, rsrs. Fiquei muito nesse núcleo obviamente por ser fotógrafa de família mas também porque os temas que mais me identifiquei rolaram lá, assisti algumas no Núcleo Empreendedor e no Núcleo de Tecnologia também.

weddingbrasil_wb_saopaulo_congresso_fotografia_familia_casamento_casais_amor_paixão_lembranças_eternidade-2

Falando da parte mais prática de fluxo de trabalho Rivalcir Baluta tocou em várias feridas nossas. Quem nunca ficou apertado com o cronograma de entregas de trabalho que atire a primeira pedra não é mesmo, rsrs?! Ele disse o quanto é importante listarmos nossas tarefas e saber dar prioridade a elas, segundo ele as coisas mais importantes não são as que gritam mais alto. Alertou ainda que fazer muitas coisas ao mesmo tempo é a oportunidade que nós temos de estragar cada uma delas.

weddingbrasil_wb_saopaulo_congresso_fotografia_familia_casamento_casais_amor_paixão_lembranças_eternidade

No Núcleo de Família muito foi falado da fotografia como um bem precioso e do poder que nós fotógrafos temos em mãos ao retratar a história das pessoas, porque será a partir dessas fotos que as próximas gerações os conhecerão. Augusto Ribeiro em sua palestra levantou muitas reflexões, disse que “O Simples é o mais belo e o mais valioso e que a estética nunca será mais importante que a história.” Me identifiquei muito com essas palavras, porque sempre me questionei em relação a algumas fotos que fazemos mas que possuem um erro de enquadramento e composição, porém a história que ela conta sobressai a tudo e ela se torna valiosíssima.

weddingbrasil_wb_saopaulo_congresso_fotografia_familia_casamento_casais_amor_paixão_lembranças_eternidade-3

É importante entendermos o limite da direção, deixar as coisas acontecerem, dar liberdade aos fotografados de se expressarem e se sentirem representados naquela imagem. Trabalhar com a fotografia espontânea as vezes exige mais direção do que a posada, porque temos que fazê-los sorrirem sem pedir, ficar atento a cada segundo, como alertou Thalita Castanha, fotografia espontânea é o momento.
Posso dizer com toda certeza que depois desse congresso passo a dar mais importância para as histórias que contamos e do bem precioso que temos em mãos, afinal a fotografia são pequenos pedaços de eternidade.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
O que rolou no Núcleo Família WB 2017
Classificado como:                                        
Sarah Sader
Apaixonada por fotografia, alucinada com crianças. Vivo nesse mundo encantador da fotografia de família, vivendo e dividindo experiências incríveis com cada pessoa que passa por minhas lentes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *