suporte_cabeça_01

Na última terça feira, dia 03 de Julho, fiz uma postagem relatando um diálogo que tive com as funcionárias de uma clínica credenciada ao Detran de Sete Lagoas no momento da renovação da minha CNH (O diálogo na íntegra você pode acessar por aqui.). O mais curioso é que o post viralizou em até o momento deste artigo já foram mais de 120 mil reações e quase 30 mil compartilhamentos.

O fato é que a atual “proibição” do sorriso em um documento de identificação, é uma herança da limitação tecnológica que existia há 178 anos atrás, quando o governo francês anunciou a invenção desta tecnologia.

Bem no inicinho de tudo, somente era possível fotografar paisagens ou objetos estáticos, isto por que o tempo para se capturar uma imagem era extremamente alto. A câmera precisava estar fixa em um suporte (tripé por exemplo) e ficar durante um período longo expondo a superfície sensível à luz. A primeira fotografia do mundo feita em uma câmera foi tirada em 1826 por Joseph Nicéphore Niépce. Foram 8 horas de exposição à luz de uma placa de estanho, coberta com betume da Judeia e instalada no fundo de uma câmera escura.

O primeiro instantâneo em que um ser humano apareceu foi em uma fotografia capturada por Louis Daguerre e a presença da figura humana foi completamente ao acaso. A exposição durou cerca de sete minutos e o objetivo era capturar a Boulevard du Temple, uma rua em Paris, na França. No canto inferior esquerdo da fotografia (abaixo), podemos ver um homem de pé tendo seu sapado polido. Ele ficou lá parado tempo suficiente para sair na foto de longa exposição.suporte_12

As primeiras câmeras fotográficas, na verdade foram apresentadas para o mundo como Daguerreótipo, justamente porque o Louis Daguerre teria sido considerado, pelo governo francês, o inventor deste equipamento. Os daguerreótipos fixavam a imagem capturada em uma placa rígida e espelhada. Uma das mais famosas imagens capturadas por este método é a do poeta norte americano Edgar Allan Poe (abaixo).

suporte_11

O termo “Photographie” ou “Fotografia” (escrever com luz) na verdade foi criado aqui no Brasil, pelo inventor, desenhista e polígrafo francês Hércole Florence, quando paralelamente aos inventores na frança, desenvolvia estudos e outras técnicas de fixação da imagem em superfícies através da câmera escura.

Quando os retratos (fotografias de pessoas) começaram a se popularizar no mundo, a tecnologia já estava bem avançada para a época, mas ainda assim, o tempo de exposição era de 2 a 3 minutos para se gerar um instantâneo. Durante todo este tempo o retratado precisava se manter imóvel para garantir a nitidez da imagem e qualidade no resultado final.

Na época, para diminuir as possibilidades das pessoas tremerem nas fotografias, diversos aparatos que mais se parecem com instrumentos de tortura foram criados para imobilizar a cabeça dos retratados.
suporte_07

Então, desta forma, manter um sorriso estampado no rosto durante todo este tempo, realmente era inviável. Daí a expressão séria de todas as pessoas que faziam os seus retratos.suporte_03

A herança desta limitação tecnológica perdurou durante quase 2 séculos e os órgãos responsáveis pela emissão dos documentos de identificação, simplesmente adotaram a seriedade nos retratos 3×4 e se tornaram rígidos com relação à esta exigência. O fato é que, diferentemente do que muitas pessoas argumentam, as autoridades possuem tecnologia baseada em inteligência artificial, que permite a identificação facial utilizando a técnica da biometria. Esta tecnologia utiliza os traços que existem no rosto das pessoas para diferencia-las. Os traços são chamados de “pontos nodais”, por exemplo: distância entre os olhos, comprimento do nariz, tamanho do queixo, altura dos olhos, distância entre os olhos e o nariz, dentre vários outros.

Enfim, não adotar o sorriso em qualquer retrato atualmente é uma questão de escolha pessoal de como cada um quer ser visto. Particularmente acredito que um sorriso abre portas e tem a capacidade de fazer com que a outra pessoa responda com um sorriso. Isto transforma um momento neutro em segundos de alegria.

E você? Como quer que seja o seu próximo documento de identificação? A decisão é sua!

 

 

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Limitação do século passado proíbe sorriso nos dias de hoje
Lipe Borges
Todas as pessoas tem alguma coisa para nos acrescentar. Talvez por acreditar nesta máxima que me encantei tanto pelos retratos. Sou um curioso confesso e adoro escutar causos e histórias. Através do blog do Fotografe, quero compartilhar com você meus próprios "causos" por trás de fotografias e vivências fotográficas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *